25 de mar de 2015

Relato de parto 1/4

Depois de quase 1 ano e 7 meses, aproveito esse espaço para publicar meu relato de parto, do desejo ao nascimento da Cecília. Como ficou um pouco extenso, vou publicar em 4 partes.

A história do meu parto inicia muito antes de eu ficar grávida.
Das minhas convicções: sempre quis ser mãe, sempre achei que o parto normal era a melhor forma de trazer crianças ao mundo e sempre me imaginei mãe de menina.
Quando comecei a namorar o Pedro, tive mais uma certeza, de que ele era o homem para dividir minha vida, para ser meu companheiro e ser pai dos meus filhos, um homem doce, sensível e com ideais de vida muito semelhantes aos meus.
Apesar dessas certezas, ser mãe parecia algo muito distante. Mas aos poucos começou a a brotar dentro de mim um sentimento muito forte de querer criar, educar, cuidar e amar alguém de uma forma que eu desconhecia, uma vontade muito louca de ser mãe, que iniciou com uma amiga muito querida me contando da notícia da sua gravidez. Essa vontade foi crescendo, crescendo, e tomando forma e se transformando em conversas com o marido e planos para um futuro próximo.
Essa amiga, a Anna, estava morando no Peru e lá, fez um curso de capacitação para atuar como doula, assim eu comecei a conhecer o que era uma doula e qual era o seu papel para uma gestação, um parto e um puerpério saudáveis.
Ainda tinham algumas pendências práticas que eu queria resolver antes de começar as tentativas para engravidar, como terminar o mestrado e ser chamada em um concurso público que eu havia sido aprovada. Além disso, o marido ainda não estava bem certo de que estava pronto para assumir seu papel de pai. Enquanto todas essas questões se resolviam, eu devorava informações sobre parto natural, parto humanizado, o papel das doulas, lia e relia relatos de parto e começava a conhecer os profissionais que atuavam com essa filosofia aqui em Porto Alegre.

No fim de 2012, eu já estava trabalhando no meu novo emprego, o Pedro já se encantava com o mundo do parto humanizado que eu ia mostrando pra ele (mesmo antes de engravidar!!!), e assim foi ficando com aquela vontadezinha de se aventurar no mundo da ma/paternidade. Resolvemos que já estava na hora de embarcamos juntos em mais essa aventura! No primeiro mês de tentativas, nossa sementinha já se implantou e começou a crescer na minha barriga. Foi um misto de alegria e medo com o que estava por vir.

Um comentário: